Revista Eletrônica Estácio Saúde, Vol. 4, No 1 (2015)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

PERSISTÊNCIA DO CANAL INTERATRIAL EM UMA MULHER ADULTA ASSINTOMÁTICA

Pablo Waldeck G. de Oliveira, Pedro Ribeiro Doudement, Renan Vinícius Santos de de Moraes, Victor Neves dos Santos, Christiane Leal Corrês

Resumo


O objetivo é expor a cardiopatia congênita e correlacionar as possíveis manifestações clínicas que possibilitam o diagnóstico precoce. O manuscrito relata um caso de persistência do referido canal de uma paciente, de 48 anos para a investigação de um sopro sistólico. Realizado exame físico e exames complementares. Os resultados apresentados mostraram dilatação das cavidades direita e do átrio esquerdo. As funções sistólica e diastólica do Ventrículo Esquerdo apresentaram-se preservadas no repouso. Grande comunicação interatrial tipo Ostium Secundum (9 mm) com “shunt” D-E. Insuficiência tricúspide moderada a grave com sinais de hipertensão arterial pulmonar. Concluímos que a persistência da comunicação interatrial apresenta sinais e sintomas característicos após idade avançada e o diagnóstico tardio, limita a eficácia do tratamento.


Texto Completo: PDF

Resultado de imagem para latindex