HÓRUS, Vol. 14, No 2 (2019)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

A INFLUÊNCIA DO TREINO DE FORÇA NA MUSCULATURA DE MEMBROS INFERIORES E MÚSCULOS DO CORE NO EQUILÍBRIO DE INDIVÍDUO COM CHARCOT-MARIE-TOOTH

Leonardo Monteiro Alves

Resumo


Introdução: A doença de Charcot-Marie-Tooth é definida como uma neuropatia periférica que afeta cerca de 1 para 2500 pessoas e tem por característica ser desmielizante e axonal, de evolução lenta e progressiva. Objetivo: O presente estudo tem por objetivo avaliar a influência do treino de força dos músculos do CORE e dos MMII associado à eletroestimulação no músculo tibial anterior sobre o equilíbrio, força e simetria dos MMII no indivíduo com CMT. Método: Para o estudo foi utilizado um indivíduo diagnosticado com CMT. Os atendimentos ocorriam entre 4 a 5 vezes semanais de 60 minutos e foi avaliado antes e após as 17 sessões. Como métodos de avaliações utilizaram-se dinamômetro portátil e o baropodômetro. A avaliação de força com o dinamômetro consistiu em avaliar os MMII a fim de compará-los e observar qual a força máxima alcançada e também as assimetrias de força entre um membro e outro. Já com relação à estabilometria, essa foi realizada no baropodômetro para avaliar as oscilações do indivíduo. Após avaliação inicial de força muscular dos MMII que foi realizado de forma isométrica, elaborou-se um protocolo de tratamento aonde que se trabalhou com o paciente realizando apenas 50% da força máxima e assim podendo a evoluir até 60%. Para o fortalecimento do CORE, foi elaborada uma lista contendo 23 exercícios que visavam trabalhar todo o complexo quadril-pélvico-lombar. A aplicação da eletroestimulação se deu através da corrente Aussie que foi utilizada na musculatura de tibial anterior a fim de excitar o movimento de dorsiflexão. Resultados: Na avaliação final, pode-se observar um aumento da força muscular em praticamente todos os grupamentos musculares, mas ao todo se chegou a uma evolução de força de 93% somando todos os seguimentos avaliados e a uma diminuição de 75% das assimetrias de força. Já em relação à estabilometria, nesta se teve melhores resultados, pois comparando as avaliações iniciais e finais observou-se que houve uma diminuição das oscilações do paciente. Conclusão: De acordo com os dados apresentados, pode-se concluir que o tratamento proposto, com fortalecimento dos músculos do CORE e também dos MMII associado à eletroestimulação, foi eficaz para ganho de força, melhora da simetria da força entre os MMII e equilíbrio deste paciente.


Texto Completo: PDF

Revista Horus - ISSN: 1679-9267 - endereço eletrônico: horus@estacio.br